Ana, Edson e Guilherme: O tempo  a gente quem faz

Ana, Edson e Guilherme: O tempo é a gente quem faz

Ideias e ações são transformadoras. Nossos voluntários contam como.

O tempo. É ele que nos move, que define a dedicação em cada ação nossa e que, às vezes, nos limita. Quantas coisas você já deixou de fazer por ter aquele pensamento de “não tenho tempo para isso?”.

Talvez uma dessas coisas pode ser abraçar uma causa, fazer um trabalho voluntário. Pensando nisso, reunimos três colaboradores da Credicitrus que são verdadeiros exemplos para nós e que podem ser para você também. Para eles, “o tempo é a gente quem faz” e eles reservam um tempo em meio às obrigações da rotina para se dedicar ao próximo com entrega, compaixão e respeito.

Inspire-se nessas histórias com a gente.

Fazer por onde

Edson Battiston é gerente da Credicitrus de Ibitinga, SP e conta que por conta da profissão e da proximidade com a Ação Social Cooperada, tem contato com as instituições sociais da cidade.

“Tenho várias ideias e passo para a instituição. Mas com o tempo percebi que é atuando de dentro das instituições que eu consigo ajudar de verdade”.

Dessa forma o Edson começou. Ele divulgou a possibilidade de as empresas destinarem o imposto de renda para o terceiro setor e, tempos depois, foi convidado para ser presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

“Angariávamos incentivo fiscal para as instituições de Ibitinga e já chegamos a arrecadar R$150 mil em um ano”, afirma. Ele também se tornou tesoureiro do Criarte (Centro de Recuperação e Inserção do Adolescente, Recondução, Trabalho e Educação) com mais de 70 atendidos, e é coordenador da Comunidade Tenda de Ibitinga, iniciativa que proporciona momentos de reflexão e aproximação de mais de 130 famílias.

“A gente pensa que vai estar sozinho quando começa um trabalho voluntário e não é assim. A gente ajuda e acaba sendo ajudado, aprende, faz amizades. O que precisamos para começar um trabalho voluntário é dar o primeiro passo”, finaliza.

Dedicação que ultrapassa fronteiras

Ana Flavia Macedo é agente de atendimento na Credicitrus de Frutal, MG e aproveita suas férias para transformar a vida de quem mais precisa. Ela atua pela Missão Caiuá, ligada à igreja presbiteriana e foi a Dourados, no Mato Grosso prestar serviço voluntário em uma reserva indígena próxima do Paraguai.

“Nosso foco foi atender as crianças da reserva através da EBF (Escola Bíblica de Férias). Nesse contato, percebi como aquelas crianças são carentes de amor e de outras coisas. Mas, ainda assim, elas eram gratas por nossa presença ali e isso me fez grata também. É preciso amor para ser voluntário, apenas isso. Ano que vem pretendo voltar e levar agasalhos e alimentos para ajudar aquelas pessoas”, planeja Ana.

Eventos que transformam

O Guilherme Benvindo de Camargo é gerente de negócios na Credicitrus de Borborema, SP e tem presença ativa em eventos beneficentes para a Sociedade de São Vicente de Paulo e para o Hospital São Sebastião.

“Com os Vicentinos estou desde 2004, temos um grupo de 100 pessoas que ajudam mais de 30 famílias carentes com alimentos, remédios e roupas. Desde 2017 sou o presidente da sociedade. Fazemos campanhas de doação para arrecadar tudo o que precisamos: temos a barraca do pastel, a feijoada beneficente, uma campanha especial de Natal e também arrecadamos alimentos nas casas. Com a arrecadação. Ajudamos desde crianças de 5 ou 6 anos até senhoras e senhores de 80, 90 anos. São cerca de 50 famílias beneficiadas”. No Hospital, o Guilherme faz parte de uma associação que angaria fundos para manter o local funcionando. Para isso, são realizados bingos, almoços, festas e rifas.

“Tudo o que fazemos é porque as pessoas precisam e muito. Sempre atuei na área social, mas só depois de me tornar presidente dessas instituições é que comecei a dar valor nas pequenas coisas que a gente tem. E eu costumo dizer que eu não dou o tempo que me sobra, eu dou o tempo que eu não tenho, mas que eles precisam. A gente consegue arrumar tempo para fazer essas coisas sim. Basta querer”.

E, sim! Nós queremos e vamos fazer a mudança acontecer. Relatos como da Ana, do Edson e do Guilherme nos enchem de coragem para enfrentar os desafios e somar nas causas que mais precisam e que estão do nosso lado todos os dias. Somos agentes da transformação, como diz o Guilherme:

“A Ação Social Cooperada é importante porque ela mostra a transformação, ela apresenta as situações como estão e como elas ficam quando nossa colaboração entra em jogo. A Ação Social também nos mostra que está presente. Empresas como a Credicitrus e a Coopercitrus estão engajadas e prestam auxílio a quem está lá na ponta sem nenhum apoio. Isso transforma as instituições, as pessoas, a comunidade e o mundo”.

E para fechar, a reflexão: O que está te impedindo de começar um trabalho voluntário? Se a resposta for o tempo, a Ana, o Edson e o Guilherme te apresentam a solução: O tempo é nosso, a gente quem faz!