Em Fernandpolis: No empoderamento, a transformao

Em Fernandópolis: No empoderamento, a transformação

Conheça os projetos apoiados nessa cidade do interior paulista!

Temos contado aqui no blog as diversas iniciativas que compõem nosso Programa de Parcerias de 2019 e como cada uma delas faz de um projeto, uma ferramenta de transformação na vida de um grupo de pessoas, sejam crianças, idosos, pessoas com deficiência ou populações que vivem em situação de risco social.

Hoje, viemos falar de empoderamento, um neologismo que significa revelar a potência, promover a autonomia e a autoconfiança do indivíduo. E duas instituições de Fernandópolis, SP, tem essa missão em comum: empoderar, possibilitar. E ambas são apoiadas pela Ação Social Cooperada.

Vamos conhecer?

Pela autoestima

O Instituto Os Sonhadores, através do projeto Tocando Sonhos, acredita que uma das formas de empoderamento está na autoestima. De acordo com a coordenadora de projetos, Juliana Alves da Silva, a instituição forma seus atendidos através da música e da orquestra, que faz apresentação em diversos lugares, especialmente nos bairros mais carentes da cidade, como uma forma de levar a cultura a quem não tem acesso.

“Nossa orquestra tem 30 participantes, meninas e meninos de 8 a 17 anos. Eles se apresentavam com uma camiseta do projeto, que conseguimos através de um patrocínio. Com o tempo, percebemos que a camiseta era muito simples para o potencial dos alunos e, muitas vezes eles não se sentiam tão importantes como realmente são”, conta.

Como forma de transformar essa situação, a Juliana inscreveu um projeto aqui para a Ação Social Cooperada solicitando apoio para a confecção de trajes clássicos de orquestra para todos os 30 participantes.

“Estamos empenhados em dar o melhor: Os meninos vão ganhar ternos e as meninas, um vestido longo e elegante. Alguns nunca usaram roupas assim, e muitos já estão felizes com essa possibilidade”, Juliana completa que esse traje, além do toque clássico à criançada, vai gerar um sentimento de pertencimento à orquestra: “e empodera-los no papel de músicos”.

Por enquanto esses trajes são uma surpresa para as famílias dos atendidos, que vão ser surpreendidos na apresentação do final do ano da Orquestra: “Vai ser no teatro, em dezembro. Todos já vão estar com seus ternos e vestidos bem alinhados, vamos fechar as cortinas do palco e abri-las na hora que a apresentação começar. Estamos cuidando de todos os detalhes para que seja emocionante”.

Para Juliana, Os Sonhadores são, de fato, uma forma de fazer os sonhos da criançada tomarem um caminho rumo ao sucesso, garantindo toda a estrutura e o apoio para que isso aconteça.

“E a Ação Social Cooperada é importante nesse projeto porque, muito mais que dar o apoio, ela nos forma, ensina o que não conhecemos e nos incentiva a inovar sempre”, finaliza a coordenadora.

Pela geração de renda

Na Associação dos Deficientes Visuais de Fernandópolis (ADVF) o empoderamento vem através da geração dos próprios recursos. A assistente social Raimunda de Oliveira Feitosa conta que a instituição produz pães e roscas a algum tempo, mas todos os produtos eram feitos manualmente por uma voluntária, que confeccionava cerca de 25 unidades por semana e vendia à comunidade.

A Raimunda ficou sabendo da Ação Social Cooperada através de uma colaboradora da Credicitrus da cidade, a Natália, e logo inscreveu o projeto Pão Solidário para melhorar a estrutura da produção de pães: “No projeto, solicitamos equipamentos para que nossa cozinha se tornasse semi-industrial. Agora produzimos 60 unidades por semana e vamos aumentar cada vez mais”, afirma Raimunda.

Após produzir, a equipe se mobiliza para vender os pães e roscas na comunidade. As produções já são bem famosas e diversos clientes já deixam encomendados com antecedência.

“Tudo o que arrecadamos durante a semana é revertido para a instituição, pagamento de contas e atendimento. Além disso, a nova estrutura possibilita aos nossos 45 atendidos de Fernandópolis e região, uma alimentação mais caseira e o contato com a cozinha pela Atividade Básica da Vida Diária, que ensina noções do dia a dia para as pessoas com deficiência visual”.

A Raimunda afirma que esse projeto mudou as perspectivas da instituição, mostrando os potenciais que todos os colaboradores, voluntários e atendidos têm.

“Contar com a parceria de iniciativas como da Ação Social Cooperada, através da Credicitrus e da Coopercitrus é muito importante, pois mostra que podemos alcançar lugares que o poder público nem sempre nos permite alcançar”, finaliza.

O que está achando dessa viagem sem sair do lugar às instituições apoiadas pela Ação Social? É incrível saber como tem bastante gente fazendo a transformação acontecer e contando com nosso incentivo para isso. Instituições como de Mogi Mirim, Bebedouro, Fernandópolis e as demais apoiadas nesse Programa de Parcerias nos inspiram e nos mostram que a cooperação é capaz de mudar vidas e que, além de somar esforços, o segredo é contar com a união e as boas ideias para acontecer!

Aliás, já se tornou parceira da Ação Social Cooperada? Se ainda não, cadastre-se já pois o Programa de Parcerias 2020 está chegando. Não perca!