Gerar e desenvolver, por uma sociedade mais justa e sustentvel

Gerar e desenvolver, por uma sociedade mais justa e sustentável

Conhece as iniciativas de geração de renda e energia? E as de desenvolvimento sustentável e ambiental? Elas são a chave para o futuro.

            A sustentabilidade é um conceito de lei no cotidiano das instituições e, cada vez mais, vem ganhando espaço fora delas, em nosso dia-a-dia. E quando falamos em sustentabilidade, não estamos pensando somente em preservação ambiental. Tudo o que refere-se ao desenvolvimento humano, social, econômico e cultural, é importante.

            De 1 a 31 de março, nós, da Ação Social Cooperada, através da Credicitrus e da Coopercitrus, iniciamos a terceira etapa do Programa de Parceiras 2019, dedicado à inscrição de projetos dos segmentos de Geração de Renda e Energia, Desenvolvimento Sustentável e Ambiental.

            Já recepcionando as instituições que logo mais serão nossas parceiras neste segmento, trazemos aqui para o blog, alguns exemplos cheios de entusiasmo de como transformar a comunidade através de atitudes que vão garantir o equilíbrio atual e a tranquilidade no futuro das organizações.

Disparador de aprendizagem

            É possível aprender em qualquer lugar, especialmente em lugares repletos de boas ideias. É assim que funciona na escola Maria Fernanda Lopes Piffer, de Bebedouro, SP. Com o apoio da Ação Social Cooperada, a instituição transformou em realidade a horta comunitária, que fornece vegetais e ovos fresquinhos e orgânicos a quem doar materiais recicláveis para a instituição.

            A diretora Andreia Zanelato teve a ideia enquanto ainda era professora da escola: “Nas aulas para a turma do 4º ano, líamos livros que falavam sobre a destinação correta do lixo, a reciclagem e a sustentabilidade ambiental. Isso fez com que os alunos adquirissem o hábito da leitura e a criticidade. Quando assumi a direção da escola, pensei em elencar um projeto de sustentabilidade e foi quando conheci a iniciativa da Credicitrus e da Coopercitrus. Montamos nossa horta em 1250 metros quadrados que tínhamos e começamos a divulgar para as famílias que, quem doasse recicláveis, ganhava vegetais para uma alimentação mais colorida e saudável”.

            O projeto foi instalado em 2017 e deste então, é sucesso. Atualmente, a produção chega a 600 pés de alface e 400 pés de brócolis. “Nunca vi gostar tanto e brócolis como nossos alunos”, lembra Andreia. A horta também chegou a produzir mais de 100 quilos de mandioca em 2018 e cerca de 30 maços de cheiro verde por semana. Além da doação à comunidade, a produção enriquece a alimentação da criançada, que se delicia com saladas e refogados na hora da merenda.

            “A alimentação tornou-se 100% saudável e a horta passou a gerar um conteúdo de aprendizagem fantástico. Os alunos passaram a se interessar por aprender tudo sobre o plantio, as galinhas que botam ovos e os recicláveis que, diariamente, são entregues ao pai de uma aluna, que é catador”, afirma Andreia, que atribui ao projeto, o aumento do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, ferramenta do Ministério da Educação que avalia a qualidade do ensino), que passou de 5,7 em 2015 para nota 7 em 2017.

            Com esta ideia ousada, mas que demandou somente o engajamento da escola, dos alunos e, posteriormente, da comunidade, a escola Maria Fernanda vem se tornando referência em aprendizagem e cultivo de vegetais para consumo próprio. Isso prova que, apesar de parecer uma missão impossível, as iniciativas de desenvolvimento sustentável e ambiental são possíveis de serem colocadas em prática em qualquer contexto, basta observar sob outras possibilidades.

Brechó e Brechique

            Já o Educandário Sagrados Corações, de Barretos, SP, encontrou na venda de roupas, calçados e acessórios usados, uma possibilidade de Geração de Renda. A voluntária Neusa Maria Leonardi Lopes é quem conta como tudo começou:

     “O brechó existe há mais de 10 anos e, inicialmente, funcionava em uma feira. Um dia, sugeriu de utilizarmos um espaço no Educandário, e lá estamos há um ano”.

            A lojinha funciona com duas propostas diferentes: o brechó, com roupas mais acessíveis, cheia de promoções e aberta à pechincha, que funciona duas vezes por semana ou com horário agendado. Já o Brechique, é composto por roupas mais requintadas, muitas ganhadas ainda com etiqueta da loja. Ele funciona uma vez por mês, mas a Neusa pretende aumentar a frequência para duas vezes.

            “Virou uma tradição. Fazemos a arrecadação, anunciamos nas redes sociais e também no WhatsApp. Com a venda das roupas, conseguimos pagar cerca de 25% dos custos fixos da instituição”.

            As iniciativas de geração de renda consistem em atividades constantes e que estreitam laços com a comunidade. No Educandário, por exemplo, 5 voluntários trabalham ativamente no local e traçam estratégias para tornar os brechós cada vez mais conhecidos. Assim, garantem mensalmente esta parte da arrecadação financeira da instituição, mantendo o carinho no atendimento da criançada.

Gerando energia e consciência

            Recentemente, inauguramos as quatro primeiras usinas de produção de energia fotovoltaica da história da Ação Social Cooperada. Além de significar um passo ousado rumo à sustentabilidade, a iniciativa reduz custos e ensina muito.

            Parte do segmento de Geração de Energia, está a Casa da Criança de Frutal, em Minas Gerais. A diretora administrativa Ana Paula Almeida Milagre conta que, pouco mais de 6 meses depois da instalação, a produção de energia vinda da luz do sol, está representando economia de 80% dos gastos com energia elétrica da instituição.

            “Este projeto nos deixou muito satisfeitos. Além da folga em nossos gastos, a usina serve de inspiração para as nossas 120 crianças e adolescentes, e utilizamos a temática durante a aulas, explicando, por exemplo, que nosso sistema produz energia através da luz do sol”, afirma.

            Seja através do sol, da venda de algum produto ou do compartilhamento de vegetais, é possível se fazer muito, com pouco. O que estas instituições têm em comum é a disponibilidade de ousar, tendo a consciência de que suas ideias podem – e vão – salvar o mundo, ou a comunidade onde estão.

            Por isso, se sua instituição almeja um projeto de Geração de Renda e Energia, Desenvolvimento Sustentável e Ambiental, inspire-se nestes exemplos que, um dia, estiveram neste mesmo lugar de insegurança que você está agora. Mas, mesmo assim, decidiram arriscar. Sabemos que em sua organização habitam ideias brilhantes que só precisam ser colocadas em prática. Da Ação Social Cooperada, certamente você terá apoio e aplauso. Inscreva-se!