O que mais o Celso pode fazer pelas crianas?

O que mais o Celso pode fazer pelas crianças?

Novamente aqui no blog, o Celso, voluntário e colaborador da Coopercitrus, nos conta sobre sua iniciativa anual de dar mais felicidade ao Natal de mais de 140 crianças.

            Celso José da Silva. Você já deve ter ouvido este nome se acompanha o nosso blog ou se conhece a rotina da cidade de Limeira, SP. O Celso é consultor especialista em citrus da Coopercitrus há 29 anos e há muitos anos – já perdeu as contas de quantos – é um exemplo de voluntariado: Transforma a vida das crianças de uma escola rural, engaja pessoas de toda a comunidade e não mede esforços para surpreender a todos.

            No último dia 6 de dezembro, uma quinta-feira, ele tornou o Natal de 145 alunos da EMEIEF Tenente Aviador Ary Gomes Castro mais feliz entregando brinquedos, livros e um delicioso lanche para todo mundo. Colaboradores e amigos acompanharam e, ao blog, Celso contou como foram os preparativos para esta grande festa.

O que mais posso fazer?

            É costume a loja de Limeira ao final do ano disponibilizar uma caixa para que os cooperados doem brinquedos para serem entregues às crianças de alguma instituição. Observando há mais de 10 anos, Celso começou a pensar em como potencializar este ato e engajar mais pessoas.

“Muitas pessoas deixavam de ajudar pela pressa do dia a dia e decidi tomar a frente. Quando conversava com algum cooperado, reforçava a proposta e, caso ele não pudesse doar um brinquedo, sugeria ele doar uma quantia em dinheiro, por menor que fosse. Com isso, comprava o que cabia no nosso orçamento”.

            Com o tempo, Celso ficou novamente inquieto e pensou em novas formas de ajudar as crianças durante as festas de final de ano: “Teve um ano que decidi, por conta própria, comprar salsichas e pães para fazer cachorro-quente. Depois, fui atrás de alguém que me ajudasse com o suco”.

            Pouco a pouco, o Celso foi mobilizando pessoas e oferecendo novas perspectivas à criançada. Desta forma em suas ações há uma troca constante: enquanto colaborador de uma das cooperativas que mantém um trabalho de responsabilidade junto à comunidade através do Fundo de Investimento Social (FIS), ele pode utilizar o que aprende diariamente em benefício do trabalho voluntário. 

            Tendo esta segurança, ele solicitou apoio à Ação Social Cooperada, redigindo uma carta sobre a iniciativa que abraçou: “Logo eles toparam e começaram a custear os livros. Fiquei muito feliz em saber que, além de presentes e um belo lanche, também estaríamos agregando com o saber da criançada”, diz, emocionado.

Mais de 140 crianças tiveram um Natal mais feliz pela ação do Celso. 

Ações são como bolhas de sabão

            Durante as férias do Celso, em outubro, é que se intensificam as preparações para o grande dia. O primeiro passo é contatar os colaboradores e quem fornece as doações: “Com o WhatsApp ficou tudo mais rápido. Então vou chamando todo mundo que já ajudou e quem eu acredito que possa ajudar”. Em seguida, ele escolhe os presentes, “para que as crianças recebam a mesma qualidade”, e instala uma bancada tanto para quem quiser doar brinquedos, quanto para quem quer doar quantias em dinheiro.

            “Este ano, o lanche foi do McDonald’s e a criançada adorou! O interessante é que cada ano fica melhor e percebo que, o que é riqueza para uns, para nós é muito mais lindo e significativo. O que me motiva é que inspiro pessoas”.

            Apesar disso, Celso reconhece que estas ações voluntárias são como bolhas de sabão: “grandes, bonitas e reluzentes. Mas efêmeras”, portanto, estas ações precisam ser constantes e sempre inovadoras. E, com esta história, reforçamos o jeito da Ação Social Cooperada de ser. Desde 2005 firmamos o compromisso de atuar nas comunidades onde a Credicitrus e a Coopercitrus estão inseridas, com o objetivo de mudar vidas e aumentar as possibilidades das pessoas que, geralmente, não têm nenhuma. Da mesma forma, o Celso abre mão de suas férias e conta com a parceria de seus colegas de trabalho e mais os amigos que fez por estes anos, para dar novas perspectivas a quem, desde cedo, não têm muitas: as crianças da escola rural de Limeira. Esperamos que mais este relato de voluntariado te inspire a abraçar esta causa em busca de um mundo melhor para todos.