Ashoka, organização pioneira em empreendedorismo social

23/10/2019

Uma iniciativa incrível nos mostra que o empreendedorismo social não é uma prática atual, mas aderida desde os anos 80 e fomenta aquilo que a Credicitrus e Coopercitrus tanto acreditam. Conheça a iniciativa Ashoka!

Quando o tema é empreendedorismo social, vale a pena começar pelo começo, ou seja, com Bill Drayton, um advogado e professor universitário, nascido em 1943 em Nova York, EUA, que desde jovem liderou iniciativas voltadas para auxiliar pessoas nos mais variados campos. Em 1980 ele fundou a Ashoka, na Índia, com base na ideia de que a força mais poderosa para o bem no mundo é um empreendedor social. Com isso, foi responsável por popularizar essa expressão, dando-lhe o seguinte significado: uma pessoa motivada por uma ideia inovadora que pode ajudar a corrigir um problema global, nacional, regional ou local em áreas como meio ambiente, educação, saúde, pobreza, fome, etc. e, como resultado, cria uma solução com forte impacto social que altera os padrões correntes. Os empreendedores sociais, disse ele, “são a força corretiva essencial; são empreendedores da mudança sistêmica e indivíduos cuja essência, e consequentemente, cujas ações estão profundamente comprometidas com o bem-estar comum”. Em outras palavras, é alguém que investe tempo, energia, conhecimento e às vezes seu próprio dinheiro para fazer algo novo ou inovar na maneira de fazer algo já existente, produzindo resultados de grande alcance social.

O que é a Ashoka? É uma comunidade internacional, hoje presente em mais de 90 países, voltada para identificar, reconhecer e aperfeiçoar agentes de transformação. A seleção é baseada nos critérios de criatividade, originalidade, perfil empreendedor, fibra ética e impacto social. Os selecionados passam a compor a rede de “empreendedores sociais Ashoka”, que hoje somam mais de 3.500, espalhados por 90 países, cuja responsabilidade é disseminar seu conhecimento em escala global sobre “como fazer” as organizações e toda a sociedade prosperar em um mundo de rápidas mudanças. Nesse sentido, têm o papel de influenciar, ensinar e servir de modelos para outras pessoas, para que se tornem também agentes de transformação social positiva.

O nome Ashoka tem um duplo significado: em sânscrito, quer dizer “ausência ativa de tristeza”, que, em última análise, é seu objetivo maior; além disso, homenageia o imperador Ashoka que, no século III a.C., depois de unificar a Índia, renunciou à violência e se tornou um líder tolerante e criativo, dedicado a buscar soluções inovadoras para o desenvolvimento econômico e o bem-estar social.

O que achou dessa iniciativa? Para saber mais sobre a Ashoka, visite o site https://www.ashoka.org/pt-br.