Associação São Pio: Devolvendo a vida aos moradores de rua de Araraquara

05/08/2019

“Tudo é feito por amor e todos trabalham pela melhora de todos”.

A história de parceria entre a Associação São Pio, de Araraquara, interior de São Paulo, e a Credicitrus e Coopercitrus, atraves da Ação Social Cooperada começou de uma forma que temos muito orgulho de contar: foi a Karina Andriazzi que é voluntária como contamos aqui e gerente de unidade da Credicitrus de Araraquara.

Ela contou para a gente, durante a sua entrevista que, pelas cidades que passou trabalhando e até em momentos de férias, fez questão de conhecer algumas instituições da comunidade, e chegou na Associação São Pio.

Não parando por aí, A Karina falou da Ação Social para a instituição, que aproveitou o Programa de Parcerias 2019 para se cadastrar e enviar um projeto. Hoje, a Associação São Pio é uma das 44 instituições apoiadas pela Ação Social Cooperada, por meio da Credicitrus e da Coopercitrus.

Grande história, não é? Mas a história dessa parceria só está começando e a jornada da própria instituição é bem maior do que nossos olhos podiam ver. Por isso, entramos em contato com a fundadora da Associação, a Magda Regina Gomes Leite, para contar mais sobre essa iniciativa, que tem por objetivo transformar e dar dignidade à vida de dezenas de moradores em situação de rua.

Há 12 anos

Magda sempre teve contato com pessoas em situação de vulnerabilidade e abandono: seja em grupos da igreja, seja por iniciativa dos seus pais que, sempre que podiam, acolhiam em casa um morador em situação de rua que estava precisando de apoio.

Em maio de 2007, ela tomou a frente e, junto com amigos, começou a realizar algumas ações, como fornecer refeição às pessoas que precisavam em um barracão que pertencia à sua família. Com o tempo, as ações foram ganhando volume e importância, além do apoio de diversos voluntários que passaram a contribuir com a arrecadação e doação de roupas, alimento e demais serviços que os moradores em situação de rua estivessem precisando, como documentos.

“Conseguíamos nos mobilizar às terças e quintas-feiras, mas, com o tempo, percebemos que não tínhamos progresso. Foi então que decidimos fundar uma Casa de Acolhimento para garantir acesso a outros cuidados voltados às pessoas em situação de rua”, afirma Magda.

Nessa mesma época, o barracão que até então eles utilizavam foi leiloado: “A solução foi alugar uma casa grande para acolher os atendidos, mas, como o tempo, percebemos que não daríamos conta de todos os custos”.

A administração municipal ofereceu à instituição uma chácara para ser sua sede: “Era uma chácara bem grande em espaço, mas que só tinha 200 metros quadrados de construção. Aceitamos e, para nossa surpresa, os próprios atendidos se mobilizaram para levantar outros cômodos para acolher a todos muito bem”.

Fazendo a diferença

Atualmente a Associação São Pio possui 57 atendidos na ala masculina e 18 atendidas na casa feminina. Além destes, a instituição é articuladora de políticas públicas e acesso a casas de reabilitação para os moradores em situação de rua que precisam deste e de outros tratamentos.

Com isso, somam-se mais 100 atendidos. A equipe de trabalho é composta por apenas um funcionário. O restante são voluntários e até os próprios atendidos, que se envolvem e executam todas as atividades da instituição, de acordo com suas habilidades.

“É bonito ver que quem tem habilidade com a horta, cuida dela com carinho; assim como quem cozinha muito bem, prepara a refeição de todos. Também temos muitos acolhidos que são cadeirantes e contam com o auxílio de outros atendidos para se locomover pela chácara. Tudo é feito por amor e todos trabalham pela melhora de todos”.

Geração de renda

A instituição é acolhida pela comunidade e por isso, recebe muitas doações. As roupas, por exemplo, são doadas aos atendidos e o excedente é vendido no brechó da Associação. A horta, que recebeu apoio da Ação Social Cooperada para aquisição de estrutura e cobertura; gera vegetais orgânicos que são vendidos à comunidade.

“As pessoas confiam no nosso trabalho e temos a satisfação de ver vários atendidos se recuperando e voltando ao mercado de trabalho. Hoje sabemos do potencial da nossa horta, que foi apresentada pela Ação Social Cooperada”.

Histórias como essa mostram como nossa cooperação é importante e poderosa para transformar a comunidade. Por isso, faça como a voluntária Karina, que incentivou uma instituição e fomentou uma parceria inspiradora entre a Associação São Pio e a Ação Social Cooperada. As mudanças começam com atitudes de confiança. Deposite confiança na rotina de uma instituição convidando-a para se tornar uma parceria da Ação Social Cooperada.