Pontes para a Prosperidade

29/08/2019

Em 2001, Ken Frantz, dono de uma construtora nos Estados Unidos, viu uma foto na revista National Geographic que o deixou impressionado: um homem perigosamente pendurado em uma corda, auxiliado por outros nove, fazendo a uns 30 metros de altura a travessia do vão de uma ponte quebrada sobre um trecho do rio Nilo Azul, na Etiópia. Pouco depois, descobriu que seu irmão, Forrest Frantz, também tinha visto a foto e tido a mesma reação que ele tivera: “Quero consertar essa ponte”.

Três meses depois, doando tempo, dinheiro e materiais, Ken reuniu membros da família, amigos e companheiros do Rotary Club e partiu para a Etiópia, liderando o grupo de voluntários que instalou uma ponte metálica sobre o vão. Assim inaugurou a instituição B2P – Bridges to Prosperity (Pontes para a Prosperidade), que se destaca pela originalidade de sua missão e pelo benefício social que tem proporcionado.

Em 2002, dois membros fundadores da entidade, Zoe Keone Pacciani e Chris Rollins, trabalhando em parceria com a organização social suíça Helvetas, definiram e aprimoraram o projeto de pontes suspensas por cabos. A partir de então, a B2P não só começou a instalar esse tipo de ponte em diferentes regiões pobres do mundo, como passou a ensinar a técnica de construí-las, de modo a multiplicar esse conhecimento e sua aplicação.

Em 2006, Avery Bang, uma jovem estudante da Universidade de Iowa, durante um estágio nas ilhas Fiji, conheceu uma comunidade que pouco antes havia iniciado um projeto de construção de pontes para pedestres. Percebeu como uma simples ponte havia transformado vidas e facilitado acesso a escolas e a recursos de assistência médica para populações antes quase isoladas. Ao retornar aos Estados Unidos, ingressou como voluntária na B2P e coordenou a construção de sua primeira ponte, no Peru. Hoje, Avery é presidente executiva da B2P, uma entidade consolidada e respeitada mundialmente, que conta com uma equipe de 65 pessoas e já construiu pontes em 22 países, mantendo programas formais na América Latina e na África.