Um negócio social na área de gastronomia

17/12/2019

Nos anos 1960, Detroit, sede das três maiores indústrias automotivas do mundo à época – Ford, GM e Chrysler – era a quarta maior cidade dos Estados Unidos e detinha a mais alta renda per capita do país. Porém, entrou em gradativa decadência nas décadas seguintes, ante a concorrência das montadoras europeias e, em especial, asiáticas (japonesas, coreanas e chinesas). E foi literalmente à falência após a crise de 2009, que abalou o mercado de crédito norte-americano, com reflexos negativos no mundo inteiro.

Nesse cenário desolador, em uma Detroit marcada pelos maiores índices de desemprego dos EUA, prédios abandonados, lixo nas ruas e violência crescente, ganhou vida o velho ditado de que “a necessidade é a mãe da invenção”. Esse fato é exemplificado por um empreendimento social denominado FoodLab Detroit (“Laboratório Alimentício Detroit”). Conheça a seguir essa história exemplar e inspiradora.

O FoodLab foi fundado em janeiro de 2011 por cinco mulheres apaixonadas por cozinha. Elas decidiram criar uma empresa especializada em formação, treinamento e aperfeiçoamento de empreendedores gastronômicos. O objetivo inicial era proporcionar a elas próprias e a outras mulheres da cidade a oportunidade de desenvolverem negócios próprios, seguindo bons princípios alimentares. Para isso, implantaram um primeiro espaço de treinamento (agora chamado BASE), atuando sob o lema “construindo seu bom negócio de alimentos”. O modelo do FoodLab visa a fazer com que pessoas que cozinham por hobby desenvolvam técnicas gastronômicas e aprendam habilidades de gestão que lhes permitam criar negócios lucrativos.

Expansão e bons resultados

Desde então, o grupo cresceu em alcance e intenção e sua estrutura lembra muito a de uma cooperativa de trabalho. No primeiro ano, seus membros organizaram uma série de reuniões, escreveram seu primeiro regulamento e firmaram parcerias. Novos empreendedores se uniram ao grupo, os relacionamentos se estreitaram, e o LabFood tornou-se um espaço no qual “gourmets”, principalmente jovens, fortaleceram habilidades práticas de negócios e aprofundaram sua compreensão do design de negócios gastronômicos voltados para o fornecimento de alimentos saudáveis. Várias cozinheiras que antes trabalhavam na informalidade, ganhando muito pouco, constituíram cozinhas comerciais próprias, obtendo níveis de renda mais elevados.

Para chegar a isso, a estratégia adotada inicialmente foi engenhosa: o desenvolvimento comunitário baseado em ativos existentes. Em outras palavras, a ideia era utilizar o que já havia, sem necessidade de começar investindo em instalações e equipamentos. Nesse sentido, os fundadores do FoodLab encontraram espaços prontos para a implantação de seus primeiros ambientes de treinamento: cozinhas de igrejas e centros comunitários que eram subutilizadas e que, com pequenos ajustes, poderiam atender aos objetivos do projeto.

O empreendimento cresceu, hoje mantém uma série de eventos e programas permanentes, e deu origem a novas frentes, como o FoodLab Institute, que oferece treinamento, aperfeiçoamento e consultoria para empresas que já tenham atingido um estágio de maturidade, e o Detroit Kitchen Connect, uma rede de espaços de trabalho compartilhado, em cozinhas comerciais da cidade.

Para conhecer com mais detalhes esse empreendimento social que transformou e continua transformando vidas em Detroit, visite o site: https://foodlabdetroit.com/.